22 de julho de 2016

Por impulso

Abri os olhos essa manhã, como de costume me sentindo muito bem depois de uma longa noite de sono, mas não durou três segundos... no quarto segundo me lembrei do que aconteceu noite passada. Aconteceu? Não seria só um pesadelo? Dou-me um beliscão pra ter certeza se ainda estou dormindo, mas não estou, de fato eu fiz algo que não deveria, algo que só a pior parte de mim poderia estar orgulhosa sobre. Então os segundos começam a passar mais devagar do que poderia ser possível.

Meu reflexo no espelho retira todas as minhas antigas duvidas, eu dormi sem lavar o rosto pra poder me colocar de castigo. Digamos que o castigo funcionou em partes, não pretendo repetir o que fiz noite passada tão cedo. Não em sã consciência. Mas que castigo, hein? Estou horrível! É a cara refletindo o coração. O gosto amargo da minha boca não é apenas pelo fato de eu não ter escovado os dentes antes de dormir, mas pelas palavras que eu disse sem querer dizer, e pelo efeito que elas poderão ter. Esse gosto não vai sair com uma pasta de dente.

Então dou-me conta de que desaprendi a escovar os dentes, a pasta parece ter criado forma na minha boca, e não está virando espuma. Ao invés, tenho que pressionar a escova sobre os pedaços que escorregam por toda a minha boca. Eu quero vomitar, mas calma, vomitar é tão nojento quanto se olhar no espelho agora, isso só pioraria as coisas. Então faço um, dois, três bochechos, a minha boca está limpa, essa pasta de dente nova de fato clareia os dentes, se eu não estivesse tão brava comigo mesma, estaria contente da mesma maneira em relação ao tom dos meus dentes. Apesar da boca limpa, o gosto amargo continua, eu sei que não vai sair.

Volto ao quarto. O que foi que aconteceu aqui? Eu estava tão presa no meu mundo interno de culpa que nem notei a bagunça que o quarto está. Uma montanha de roupas se forma no chão, espalhando-se por todo o quarto, a cômoda está uma bagunça e eu não encontro minha toalha. Começo a entrar em desespero, a chorar, eu não estou perdida em relação a mim mesma apenas, estou perdida no meu próprio quarto, não sei o que fazer e nem por onde começar pra tentar consertar toda essa bagunça. Eu se quer faço ideia de que ônibus eu peguei para chegar nesse ponto que estou.

Sentada sobre minhas pernas, respiro fundo e tento manter a calma. É a primeira vez que isso me acontece em muito tempo, mas não significa que é a primeira vez que acontece na minha vida. Já aconteceu antes, e como dizem aquelas frases de efeito que a gente encontra pela internet, problemas e erros acontecem/aparecem toda hora, portanto, preciso ignorar o fato disso estar me deixando louca, porque ficar louca não vai me ajudar em nada. Fico imaginando o que ele diria se eu contasse pra ele o que eu fiz, talvez um "eu avisei", por eu estar tão chateada, ou então não diria nada, ficaria em silêncio, como ele sempre faz por saber que ele é a razão de eu estar tão fora de mim.

13 de julho de 2016

Observatório

Ele é apaixonado por ela. Não consegue ver? Talvez o sentimento seja reciproco, não sei pois não os conheço, se quer sei se são de fato um casal de namorados, ou talvez apenas bons amigos, mas ele é apaixonado por ela, isso eu posso te dizer com toda certeza do mundo.

O beijo que ele acabou de dar na mão dela agora comprovou que são namorados, até por que, isso não é algo que amigos fazem, ou é? Penso no torcicolo que ele terá mais tarde por estar tanto tempo com o rosto virado para ela, que encara continuamente a tela quebrada do celular. Ele não tira os olhos de seu rosto, e agora a mão esquerda, que se encontra em repouso na sua coxa, começa a fazer aquele carinho gostoso, devagar, do tipo autoritário, proprietário, daquele tipo de carinho que diz “eu amo você e tudo que você é. Eu quero que você nunca se sinta ruim, seja por qualquer motivo que for”.

Ele é apaixonado por ela, mas talvez ela só goste dele. Tudo bem que o assunto demonstrações de afeto em público possui várias opiniões diversificadas, mas enquanto ele esta abraçado com ela, virado ao seu lado, ela possui seu rosto virado pro lado da janela, novamente encarando o celular. Eu tenho duas teorias para isso: 1 – aquela regra que eu aprendi há pouco tempo, sobre não responder a toda demonstração de carinho, afim de não tornar a relação enjoativa demais; ou 2 – ela está um pouco constrangida porque ele não para de abraçar e beijar ela em um ônibus universitário. Ele está praticamente deitado em cima dela, se for parar pra pensar.

Então de repente ele desencana, desiste, dá um tempo. Agora sentado virado pra frente, procura outros lugares para olhar, mas suas mãos continuam dadas. Enquanto uma segura a mão dela, a outra faz carinho do pulso pra cima, de cima até o pulso, mas ele não resiste. Ele é apaixonado por ela, e aquele rosto com quem diz que fui feita para partir seu coração, ele ama olhar. Poderia ficar olhando para sempre, como se fosse a última vez, todos os dias. Talvez essa seja a última vez que eles vão se ver durante muito, muito tempo. Quem sabe?

Você já esteve nesse lugar, não é mesmo? Você já teve alguém apaixonado por você, assim como ele é apaixonado por ela. Você amava as demonstrações de carinho, preocupação, o jeito que ele te olhava, parecia tudo perfeitamente natural, nem um filme vencedor de oscar conseguiria representar tão bem o que aquele homem fazia e sentia quando estava ao seu lado. Mas talvez você nunca tenha dito isso, talvez nunca tenha dito que amava sorrir enquanto se beijavam, só pra sentir o coração dele acelerado, e aquela respiração aliviada por estar contigo, e poder não só ver aquele sorriso por baixo de uma luz em segundo plano, a milímetros do seu rosto, mas sentir...

Sentir é algo que não cabe em aliança, não cabe em status do facebook. O segredo para um sentimento gostoso e duradouro, é um sentimento guardado em segredo, discreto, silencioso. Aquele que a gente não conta pros outros, a gente não conta nem pra gente mesmo! Vai que o destino resolve te dar uma rasteira? Esse sentimento a gente demonstra, porque não há forma mais pura de amar alguém, como amar em segredo.

11 de julho de 2016

Como driblar o ódio alheio

Qual a diferença entre abaixar a cabeça e ignorar? Algumas pessoas diriam que abaixar a cabeça é se humilhar, já ignorar, é deixar passar algo que poderia causar alguma situação. Mas como escolher em que ocasião é correto ignorar sem que pareça um ato de inferioridade? Digamos que você evitou de falar algo para não causar grande história, mas aquilo se manteve em sua cabeça por muito, muito tempo, então, ao invés de deixar passar algo, você guardou isso dentro de si. Nem sempre essa é a melhor alternativa.

“Se me atacar, eu vou atacar.”. Já dizia nossa querida Inês Brasil. Mas calma, não estou dizendo pra você pegar a sacola de compras cheia de bolsas de couro e sapatos de salto grosso e tacar na cabeça da pessoa até ela perder a consciência. Não é nenhum pecado imaginar essa cena e ver-se rindo horrores dela, mas mantenha em segredo, ninguém precisa saber o quão psicopata e violenta sua mente pode ser.

Então, imagine que a dois anos atrás muita coisa foi ignorada para que não se torne grande caso, você era uma criança que estava fazendo suas próprias escolhas sem afetar ninguém por conta disso, mas se for parar pra pensar, essas perseguições pararam? Hoje, dois anos depois, você se dá conta de que se tivesse feito algo no passado, não se sentiriam na liberdade de te atacar novamente. Então nada de ignorar.

Clarice Lispector sentiria vergonha de pessoas que se acham superiores e por conta disso fazem uso de palavras ruins ao se referir a quem não é do seu agrado. É por isso que em vez de fazer o mesmo mal que te fizeram, mas a outra pessoa, procure respirar fundo e manter a calma, pensar em alguma conversa que mencione a atitude da pessoa e no fim perguntar com o ar mais agradável o possível, sem parecer forçado, por favor: “você disse mesmo isso? ”.

As pessoas ruins, que precisam fazer outras se sentirem inferiores para se sentirem bem, são ao mesmo tempo fracas: não conseguem admitir seus próprios atos.

É aí que você precisa se dar conta de que na maioria dos casos onde alguém te maltrata, o problema não é com você que se encontra de pé, sozinha, com toda coragem que tem (e aquela que não tem também), enfrentando aquele perseguidor, tirando satisfação. O problema não está nas suas roupas, classe social, cor de pele ou nacionalidade, mas sim com ele, que não consegue sentir-se bem sem prejudicar a estrutura emocional de outro. Imagine como essa pessoa consegue dormir de noite? O ódio causa rugas, olheiras, fios brancos, bolhas nos pés, tira o esbranquiçado dos dentes e é totalmente deselegante. O ódio é uma peça que você definitivamente não quer no seu guarda-roupa.

3 de julho de 2016

Wishlist Fashion Mia Store

Oi gente!!

Atenção que o blog tá com parceria nova, e é uma parceria com uma loja que tem, tipo, um absurdo de vestidos maravilhosos lá! Sério, e por um preço que se eu te contar, você não vai acreditar. 

A loja chama-se Fashion Mia. Tão nova na minha vida, mas tão querida já, tem um site super convidativo, fácil de encontrar qualquer vestido que você quiser. E tem mais: No primeiro pedido, você ganha 5% de desconto. Ou seja: corre e aproveita, meu!

Mas não vende só vestido lá não! Tem saias, calças, blusas para o frio, blusas em geral... A loja é voltada ao público feminino, e eu montei uma wishlist dos meus 8 produtos preferidos, algo que foi super difícil de se fazer, porque eu amava tudo que via... Sem condições.

Olha só:

See More: Cheap Dresses for Woman http://fashionmia.com/dresses-53/

See More: Fashion Tops Online http://www.fashionmia.com/tops-60/

E ai, pessoal? O que vocês mais gostaram? Minha wishlist é a sua também?
O pagamento das compras realizadas na Fashion Mia pode ser realizado online por cartão de crédito visa, mastercard, e ainda por PayPal (gritoooo, amei!). Tá esperando o que? Corre pra lá e faça sua wishlist também.

Beijos da Lai

25 de junho de 2016

Um texto sobre autoconfiança

 
Há aquela maravilhosa sensação que o amor próprio proporciona, aquela que a gente sente ao se pegar com uma lembrança de mocinha apaixonada, e então se dá conta que o tal crush que está na sua mente, tirando-te risos bobos, é você mesma! Há essa sensação que só as sortudas sentem, aquelas que conseguem ver coisas boas em si mesmo até mesmo depois de alguém te faz se sentir difícil de ser amada e fácil de ser substituída. Essas sensações, queridas, não é pra qualquer um, mas não se preocupe se você ainda não chegou nessa doce fase... eu mesma demorei muito tempo pra estar assim: tão encantada comigo mesma. 

É claro que de vez em quando me vêm alguns desses pensamentos ruins, aquela luta interna que tenho que enfrentar de vez em quando para conseguir deixar coisas tão boa para trás. Mas se são tão boas, porque deixar pra trás? Há algum tempo eu tinha essa resposta, hoje já não tenho tanta certeza. 

Mas uma certeza eu tenho: a noite está para mim. Acabei de me olhar no espelho e sentir uma pequena tristeza ao lembrar que aquela pessoa nunca mais vai tocar no meu rosto, ou no meu cabelo. E que cabelo! Só eu sei como é ficar anos sem ir ao cabeleireiro e ainda ter o cabelo elogiado todos os dias, nem todo mundo tem essa proeza. Melhor do que cuidar de mim mesma, é cuidar para que não chegue perto de mim todos aqueles que um dia me fizeram mal. Mas não tem problema, agora eu sei cuidar muito bem de mim.

Eu estou na minha melhor fase, uma fase de autoconfiança. Posso dormir com o cabelo molhado sem me preocupar se amanhã estarei com o cabelo todo amassado e com todos me achando feia. Eu não me arrumo para os outros, me arrumo para mim mesma (isso quando eu me arrumo), aos meus olhos, eu sou perfeita para mim, e aí de quem dizer que não! Ai de quem se atrever a achar que pode com tudo isso. Não pode não, querido! Para eu me dividir com você, só se você for louco o suficiente e me convencer de que nada mais justo do que eu ser toda eu com um pouco de você.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...