11 de fevereiro de 2017

Lista com as músicas mais tristes que conhecemos


Músicas tristes sempre serão as minhas preferidas. É, eu sei, muitos vão achar superestranho, mas eu amo me sentir triste, acho que essa é a única coisa que eu sei fazer melhor do que ninguém... Não preciso ter um motivo, a melancolia faz parte de mim, provavelmente, desde que nasci. Não é difícil separar uma lista das músicas que mais me faz, feliz, digo, triste! Ah, vocês entenderam.
Vamo lá?

1 - Refrão De Bolero - Engenheiros do Hawaii
"Teus lábios são labirintos
Que atraem os meus instintos mais sacanas
O teu olhar Sempre distante, sempre me engana
Eu entro sempre na tua dança de cigana"

2 - Summertime Sadness - Lana Del Rey (Cover) Alice Kristiansen
"Acho que vou sentir sua falta para sempre
Assim como as estrelas sentem falta do sol de manhã"

3 - Dancing On My Own - Calum Scott
"Tão longe, mas ainda sim tão perto
As luzes se acendem, a música morre
Mas você não me vê, aqui de pé
Eu só vim aqui para dizer adeus"

4 - Stay - Miley Cyrus
"Bem, eu tento viver sem você
Mas as lágrimas caem dos meus olhos
Eu estou sozinha e me sinto vazia
Deus, eu estou dilacerada por dentro"

5 - It's you - Zayn
"Eu não vou, não vou, não vou
Cobrir a cicatriz
Vou deixar sangrar
Então, meu silêncio
Então, o meu silêncio não vai
Ser confundido com paz
Estou errado por querer que a gente fique junto?"

6 - 505 - Arctic Monkeys
 "Pare e espere um segundo
Quando você olha pra mim assim minha querida
O que você esperava?
Eu provavelmente ainda te adoraria
Com suas mãos em volta do meu pescoço
Ou pelo menos eu gostava até a ultima vez que conferi "

7 - Stay - Rihanna feat Mikky Ekko

"Não tenho muita certeza de como me sentir quanto a isso
Algo no seu jeito de se mexer
Faz com que eu acredite não ser possível viver sem você
Isso me leva do começo ao fim
Quero que você fique"

8 - Somebody Else -The 1975 (Cover) Alice Kristiansen

"Eu não quero o seu corpo
Mas odeio pensar em você com outra pessoa
Nosso amor esfriou
Você conectou sua alma à de outra pessoa"

Bom, gente, se vocês sentirem-se inspirados, deem uma olhada nos outros covers dessa Alice Kristiansen, essa menina não tem só a cara mais linda que vocês já viram nesse mundo... a voz e delicadeza que ela tem assemelha-se a de um anjo. Super indico a todos que amam destruir seus próprios corações de vez em quando. Vocês vão amar!

Espero que tenham gostado da minha seleção de músicas tristes, qualquer música que vocês achem válido entrar para a lista, me digam, vou amar ouvir.

Beijão

30 de janeiro de 2017

Meu primeiro dia na academia


Férias, pra que te quero? A última vez que pisei num chão de academia e carreguei peso sem real necessidade foi a exatamente dois anos atrás. Eu estava certa de que não passaria em faculdade nenhuma, então me coloquei na academia, pois não precisaria pagar ônibus, comprar material escolar, nem nada do tipo. Não durou quinze dias, o resultado do SISU saiu e passei em primeiro lugar no curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas no IFMS Campus Corumbá. Sem drama, eu não esperava por isso e por mim tanto faz. Adeus academia, hello Corumbá.

E cá estou eu, hoje, de volta a cidade onde eu não gostaria de estar, de férias do IFMS Campus Três Lagoas, aproveitando a primeira segunda-feira para começar aquela promessa que as pessoas tanto adiam para esse dia. Mas eu não fiz promessa, me veio a cabeça “vou fazer academia porque minha bunda tá tão mole que o meu twerk balança mais do que Rihanna e Miley Cyrus juntas, e eu nem preciso fazer esforço”. Eu juro pra vocês, quando eu estou lavando louça, o pezinho lindo e sujo do meu irmão vem de encontro a minha não tão grande e mole bunda, e aí ele começa a rir e a sair pela casa gritando “TERREMOTO”, isso porque minha bunda treme muito que nem uma gelatina numa colher. Quando ele consegue parar de rir, ele volta e chuta minha bunda de novo e de novo.

Mas agora as coisas mudaram. Hoje eu fui a academia, expliquei ao treinador que faz dois anos que eu estou totalmente 100% sedentária, pra ele pegar leve porque eu não quero sair de lá com dor, incapaz de me mover por quatro dias, assim como na formatura da minha irmã. É, porque eu dancei na formatura da minha irmã por cerca de o quê? Umas duas, talvez quatro horas? Isso foi suficiente para que eu não conseguisse andar por quatro dias sem gritar de dor. É, eu grito bastante.

O treinador pegou leve, mas eu soei. Nos dez primeiros minutos sentada naquela bicicleta, sentindo-me no clipe Side to Side da Ariana Grande, eu estava soando e acompanhando com os olhos o ponteiro do relógio que estava do meu lado direito. A academia estava quase vazia, só eu e mais duas meninas e o treinador. Os meninos que estavam lá já tinham ido embora, bom, assim eu me sinto mais a vontade.

O treino foi ocorrendo normalmente, carrega peso ali, empurra aqui, agacha ali, foi divertido, mas assim que fui embora, eu estava com as pernas bambas, sentei um pouquinho na loja com minha mãe, falei “Ai meu Deus” umas 20193 vezes, e então fui pra casa, eu estava muito enjoada. Enjoada pra carrrrrallho. Eu estava tão enjoada que eu tirei a roupa, deitei na minha cama toda peladona e depois fui no banheiro dar um jeito em mim, mas não consegui vomitar. Gente do céu, que merda é essa que aconteceu comigo? Acho que meu organismo não presta pra se exercitar. Ele ficou todo estragado.

Mas a minha doce irmã preparou ovo mexido pra mim, foi tão gostoso, eu melhorei tipo assim, instantaneamente. Talvez o meu café da manhã improvisado antes da academia não tinha caído bem. Num piscar de olhos, tudo estava bem, eu estava apta a dar foras no whatsapp e preparar o almoço. E o melhor de tudo: o dia terminou, e eu não estou dolorida. Eu ouvi um amém?

Esse foi um relato sobre meu primeiro dia na academia, não sei se vai ter segundo, ou terceiro. Não, não vai ter, a não ser que eu esteja tipo 100% afim de escrever sobre, caso contrário, não sei, talvez… Quem sabe? Bom, é isso. Acho que isso é tudo, agora vou voltar ao filme que estava assistindo… ou a vídeo aula de Laravel? Hmmm fica a dúvida no ar.

Beijo gente, até mais! Boas férias pra mim.

29 de janeiro de 2017

Músicas tristes sempre serão as minhas preferidas

Engenheiros do Hawaii está tocando no fundo enquanto eu passo de um cômodo para o outro procurando confortabilidade. Estou em casa, isso é certo, porém não me sinto lar. A música é linda, acompanhada por um vocalista de cabelo liso, estilo largado, all star, no vídeo aparentava ter uns 30 anos. Sua imagem continua guardada em minha cabeça, eu estou apaixonada pelo vocalista. A audição faz jus a imaginação… uma voz tão gostosa dizendo coisas que hoje não ouvimos mais. Que música! Que letra. Entendo a importância de vivermos o presente, mas estou presa no passado. Sou feita, sou fã, é muito difícil pra mim não olhar pra trás.

Estive pensando nos últimos quatro dias… não disse em que ou em quem. Estive pensando, pensando, pensando… Os pensamentos acordavam comigo pela manhã e acariciavam meu cabelo até eu cair no sono, mas não se demoravam a me acordar no meio da noite, fingindo vontade de ir ao banheiro, fingindo fome, sede, saudade. Eu os alimentava, tentava saciá-los, mas meus pensamentos me tiram o sono. Me via com insônia, me via em meio a risadinhas e apertos no peito a recordação de que essa insônia é aquela mesma que nos fazia companhia nas madrugadas de dois anos atrás. Há quatro dias eu ouvi uma música que me trouxe tais lembranças, e cada ação minha, ou cada ação do universo, faz com que meus pensamentos, antes abandonados, esquecidos, sintam-se livres para voltar como essas músicas antigas que a gente tanto conhece.

As coisas finalmente conseguiram estar do jeito que eu gostaria. Por muito tempo estive me treinando para não ter dificuldades em me afastar de coisas que são importantes pra mim como algum sonho de infância, um perfume com brilho que ganhei no meu aniversário de 15 anos, pessoas que me proporcionaram alegrias únicas, e mais pra frente, não me permitir ter nada que faça com que eu me sinta vulnerável, fazendo planos secretos de fuga, imaginando um futuro não muito distante que me tirasse o fôlego e risadas. É, Laiali, você não está mais vulnerável, agora é tão fácil não atender o telefone, cortar contato com aquele rapaz de cabelo cacheado da faculdade que te faz se sentir à vontade com aqueles adjetivos ridiculamente fofos.

E agora que finalmente os grandes tempos chegaram, gostaria de reaprender a me entregar. Como é que eu faço pra aceitar que eu também mereço um pouquinho de felicidade? “A gente aceita o amor que acha que merece receber.” Ou de pelo menos acreditar que nem todo sentimento bom vem com a intenção de me derrubar mais pra frente.

O bom de quase nunca estar feliz, é que não faz muita falta. Sentir tristeza ou não sentir nada tem sido tão comum, que quando eu tenho algum motivo que me faça esquecer como é se sentir sozinha, eu não sei como agir. Mas as músicas tristes sempre serão as minhas preferidas.

15 de janeiro de 2017

Os melhores covers de ex's and oh's

Elle king

Oi, gente! Tem essa música de 2014 que eu descobri depois que Ashley Tisdale e Vanessa Hudgens (oh my HSM feelings!) fizeram um cover da mesma. Foi aí que me deparei com vários outros covers maravilhosos dessa música e achei bem justo montar um top 3 dos meus covers preferidos de Ex's and Oh's da Elle King.


Essa menina é um doce! Aparenta ser uma daquelas pessoas miúdas que não chamam a atenção pela aparência, mas surpreende pelo contéudo. Que confiancia! Que alegria ela transmite ao cantar e tocar. Me arrepio até as bochechas.



Amo minhas meninas! Não dá pra escolher a melhor voz porque todas arrasam de uma maneira diferente. Mas meu coração pertence a Lauren nesse cover.

Tão gostoso ver essas duas juntas! Esse cover está no meu coração pra sempre, tenho ouvido desde que o vídeo foi postado no youtube repetidamente todos os dias. Tudo pareceu em harmonia... a sintonia das duas, o visual rock da Ash casando com o look boho da Vanessa, o cenário lindo, o maridão gato da Ash tocando TÃO bem!

Gente, esses são meus covers preferidos da música, espero que vocês tenham gostado!

11 de janeiro de 2017

É alta madruga, já é tarde demais




Oi, gente, tudo bom? Tem um vídeo na barra lateral em que estou, tipo assim, bastante exibida com meu cabelinho. Se você gosta de cachos, são só 14 segundos, acredito eu.

Eu tô mais ou menos daquele jeito quando as coisas parecem estar caminhando tranquila e corretamente, mas do nada você recebe uma ligação, sua cabeça começa a doer, você tem que ficar hospedada em um hotel pra apresentar um trabalho de 20 minutos na faculdade, não dá tempo de hidratar o cabelo, etc.

Estive trabalhando em um textinho pro blog nos últimos dias, mas a inspiração cortou no meio do caminho... convenhamos que, ainda bem que isso aconteceu, porque eu quase perdi o ônibus das 12:15. E aí??? Mas quem sabe. 

Essa publicação é pra atualizar o blog e dizer que... não, na verdade o que tenho pra dizer eu não posso dizer, mas queria. Que fique o mistério, e que eu não morra engasgada com essas coisas que gostaria de dizer mas não disse por motivos de... não posso dizer heheheh 

Mas posso dizer que sinto falta do café da manhã do hotel Tokyoin em Três Lagoas. Em especial aquele suco de Caju que estava m a r a v i l h o s o. Ainda posso sentir o gostinho aqui na minha boca com a ajuda da imaginação. Obrigada por isso, faculdade, hotel, mamãe e todos os fatores que contribuíram para que isso ocorresse.

Será uma lembrança alimentar e tanto...